quarta-feira, 12 de junho de 2013

Ajude a lançar a primeira HQ do Votu!

Um projeto muito bacana que tomei conhecimento no ano passado: "Votu - O Demônio da Amazônia" é uma HQ de Horror escrita por Mario Lima Cavalcanti e desenhada por Pedro Elefante. Agora a dupla lança o projeto no Catarse em busca de patrocinadores. Recomendo!






segunda-feira, 3 de junho de 2013

Sonhos de Ópio na Casa Dourada do Pecado

Na edição "U" da revista "Arte & Letra: Estórias": meu conto Sonhos de Ópio na Casa Dourada do Pecado, primeira história protagonizada pelo aventureiro Caim Hoonholtz a ser publicada.  


Um antro de vício e perversão. Foi exatamente isso que o grisalho coronel Frederick Mohr pensou ao entrar na casa de ópio. A zona portuária de Hong Kong, rica em estabelecimentos desse ramo, não era uma região das mais recomendáveis para um cavalheiro de sua classe. Não fosse a necessidade de encontrar um homem habituado a tal espécie de lugar, jamais estaria ali. A iluminação era fraca. Camas e almofadas se espalhavam pelas salas apertadas de teto baixo. Homens em sono inebriado jaziam por todos os lados, até mesmo no chão. O ar estava pesado e recendia a fumaça, suor e sujeira.

Mohr fora um oficial da marinha britânica por muitos anos. Agora aposentado, dedicava seu tempo ao comércio marítimo. Apesar da riqueza, tinha um problema difícil de ser resolvido de forma limpa. Um problema capaz de fazer um inglês rico e esnobe se aventurar pelo lado sórdido da existência humana.

Funcionários da casa lhe ofereceram ópio. No entanto, ele precisava apenas de informações, nada mais. Teve uma breve conversa com os anfitriões do lugar, o que lhe custou algumas libras, e foi direcionado ao indivíduo de reputação duvidosa que procurava.

O homem estava em um canto escuro da sala. Tinha a cabeça deitada em cima da mesa e escondida pelos braços. Mohr pediu a um empregado da casa para trazer uma vasilha com água, cujo conteúdo foi logo despejado sobre o homem adormecido. O inglês então falou:     

– Caim Hoonholtz, eu presumo. 

Arte de Pedro Elefante.